Logotipo

Relíquias

Oswaldo Rubem Farina (31/05/2017)

Existem no mundo centenas de relíquias de toda ordem. Atenho-me nesta crônica somente a quatro: o Santo Sudário de Turim, a Tilma ou Poncho de Guadalupe, a Hóstia convertida em carne em Lanciano e a Língua de Santo Antônio em Padova.

O Santo Sudário é uma grande peça de linho branca na qual foi envolto o corpo de Jesus, descido da cruz. Sua autenticidade foi alvo de polêmica, quando descrentes entenderam que não poderia subsistir um pano de 2.000 anos e que tivesse sido confeccionado na Europa na Idade Média. Cientificamente ficou demonstrado que inexiste naquele continente vegetação cujos polens foram encontrados no Sudário e, ao contrário, existem na vegetação no Oriente Médio desde antes dos tempos de Cristo. O mais surpreendente é o resultado de uma investigação realizada por uma equipe não católica da NASA. Concluiu ela, após três anos de trabalho "que um indivíduo sepultado há dois mil anos, numa gruta nas proximidades de Jerusalém, emitiu, 36 horas depois de morto, uma misteriosa e desconhecida radiação que chamuscou o sudário que o cobria". Esta radiação foi emitida ao ressuscitar a pessoa envolvida na mortalha. Mais recentemente, um profissional fotografou o sudário e ao revelar a grande fotografia constatou que no negativo estava impressa a imagem de um homem cujos contornos não são desenhados, o que ocorreria se se tratasse de pintura. A conclusão óbvia é que o Santo Sudário é realmente a mortalha que encobriu o corpo de Jesus.

Com relação à Tilma ou Poncho de Guadalupe em que está fixada a imagem de Nossa Senhora, feita de fibras de vegetação, com duração máxima de 30 anos, surgiu ela quando o índio Diego, em 1531, atendendo ao pedido da senhora que lhe aparecera, dirigiu-se ao bispado para solicitar que fosse construída uma igreja naquele local. O bispo Dom Zamárraga, atencioso mas incrédulo, solicitou a Diego que fosse a sua aldeia e trouxesse uma prova do que estava afirmando. Diego foi e retornou trazendo à presença do prelado rosas, flores impossíveis de serem colhidas no rigor do inverno e, ao deixá-las cair, para surpresa de todos estava estampada na tilma a imagem de Nossa Senhora, venerada até hoje em duas basílicas, na cidade do México, que recebem anualmente cerca de vinte milhões de peregrinos.

O milagre de Lanciano, cidade italiana junto ao mar Adriático, se constitui na transformação do pão (hóstia) em carne quando, pelos anos 800, um monge basilicano duvidou que com suas palavras durante a missa ocorresse a transubstanciação no corpo de Cristo. Professores de anatomia, examinando a relíquia, constataram tratar-se de carne humana do coração.

A Língua de Santo Antônio, o pregador sacro, o português Fernando Bulhões, deixando sua missão em Marrocos, dirigiu-se a Assis para encontrar-se com Francisco, que o acolheu e o admitiu na ordem que fundara, denominada mais tarde de Franciscana, recomendando que fosse desempenhar sua missão em Padova. Antônio dirigiu-se àquela cidade, lá permanecendo até sua morte, onde é venerado em magnífica basílica, na qual é possível orar diante de um relicário que guarda sua língua incorruptível e que tantas mensagens transmitiu ao mundo católico.

MAIS ARTIGOS