Logotipo

Em Assembleia a caminho

Dom João Francisco Salm (01/10/2016)

É de hábito que a Diocese de Tubarão faça anualmente, em meados de Outubro, sua Assembleia. Desta vez, foi agendada para os dias 14 e 15. Tempo de encontro, de avaliação, de discernimento, de escolhas, de decisões e de celebração. E, sobretudo, tempo de retomar e aprofundar a Comunhão e a Unidade, virtudes essenciais à nossa vida e missão: “Não rogo somente por eles, mas também por aqueles que por sua palavra hão de crer em mim; para que todos sejam um, assim como tu, Pai, estás em mim e eu em ti, para que também eles estejam em nós e o mundo creia que tu me enviaste” (Jo 17,20s).

Para a participação neste evento tão significativo, são convocados, pelo Bispo, os Padres, os Diáconos, os Coordenadores Diocesanos das Pastorais, dos Movimentos, das Associações e Organismos (Cáritas Diocesana, Conferência dos Religiosos/Núcleo-Tubarão, Escola de Teologia para Leigos, Escola de Fé e Política, Escola Bíblica, Escola da Juventude/Querigma) e seus respectivos Assessores Diocesanos, os Coordenadores dos Conselhos Paroquiais de Pastoral (CPP’s), os Coordenadores dos serviços pastorais em nível comarcal, os Religiosos e as Religiosas, os Cristãos Leigos e Leigas liberados para a pastoral em tempo integral, um Seminarista da etapa da Filosofia e um Seminarista da etapa da Teologia.

A alegria e a esperança, reveladoras de uma Fé amadurecida e de um coração agradecido, devem ser a grande tônica de uma Assembleia assim. Somente essa atitude interior assumida por todos os participantes é capaz de proporcionar o ambiente e a temperatura que permitam uma participação operosa, uma avaliação sincera e corajosa, uma reflexão às claras (de quem partilha com generosidade e iluminado pela Palavra), o discernimento da vontade de Deus, a ação de graças e o relacionamento que “faz arder o coração” (cf. Lc 24,32) porque Ele se faz presente (cf. Mt 18,20).

A finalidade ou o objetivo de todas as nossas atividades, e até de nossas vidas, é “evangelizar, a partir de Jesus Cristo e na força do Espírito Santo, como Igreja discípula, missionária, profética e misericordiosa, alimentada pela Palavra de Deus e pela Eucaristia, à luz da evangélica opção preferencial pelos pobres, para que todos tenham vida (Jo 10,10), rumo ao Reino definitivo”. E o Papa disse que “o que nos deve santamente inquietar e preocupar [...] é que haja tantos irmãos nossos que vivem sem a força, a luz e a consolação da amizade com Cristo, sem uma comunidade de fé que os acolha sem um horizonte de sentido e de vida” (EG 49).

Com a assessoria de um cristão leigo (vindo de Minas Gerais), membro da Comissão Episcopal para o Laicato, da CNBB, vamos estudar alguns aspectos do Documento 105, sobre os Leigos e Leigas, sujeitos na Igreja e na sociedade. A avaliação das nossas atividades terá como referência as Urgências da Evangelização: a missionariedade, a iniciação à vida cristã, a animação bíblica, a comunidade de pequenas comunidades e o serviço à vida plena. Faremos uma partilha da nossa experiência do Ano da Misericórdia e do projeto Rota 300. Vamos olhar para frente e eleger ações comuns para o próximo ano. A partir do dia 12 deste mês de outubro teremos no Brasil um “Ano Mariano”. E 2017, em nossa Diocese, certamente ficará marcado pela Romaria da Terra e das Águas, em setembro.

Dirijamos preces e súplicas a Deus para que nossa Assembleia seja um Pentecostes; e que nos tornemos “discípulos convertidos pela Palavra de Deus e conscientes da urgência de viver em estado permanente de missão” (cf. CNBB 95, n. 8).

Dom João Francisco Salm
Bispo Diocesano

MAIS ARTIGOS