Logotipo

A Vocação da Família: Desafio e Missão

Tarcisio e Rosângela Bitencourt (01/03/2018)

Neste “Ano Nacional do Laicato”, como Igreja em saída e a serviço do Reino, somos enviados a sermos “Sal da Terra e Luz do Mundo”. Todos, independentemente de sermos presbíteros, consagrados ou leigos, temos um desafio e uma missão a cumprir, a partir do primeiro anúncio que recebemos (querigma) que é o mais belo, mais importante e mais necessário, também o mais sólido e mais sábio: aprofundar nossa formação cristã e realizar o alegue anúncio Jesus a tantos outros.

Nosso ensinamento sobre o matrimônio e a família não pode deixar de se inspirar no anúncio do amor e ternura, se não quiser tornar-se mera defesa de uma doutrina fria e sem vida. O projeto divino coloca o matrimônio como um “dom” de Deus que deve ser cuidado e honrado por todos e que o leito conjugal seja sem mancha e a sexualidade exercida com dignidade e respeito.

Ao referir-se ao desígnio primordial sobre o casal humano, Jesus reafirma a união indissolúvel entre o homem e a mulher, onde o sacramento do matrimônio, com a sua graça, cura e transforma o coração endurecido dos homens e revela o projeto originário de Deus que desejou uma união sacramental por toda a vida, comunhão fundamentada numa aliança de amor e fidelidade.

Muitos matrimônios acabam muito cedo porque os cônjuges não foram capazes de formar uma comunidade de vida e amor por que não colocaram o amor no centro da família. O verdadeiro amor entre marido e mulher implica mútua doação de si mesmo, inclui e integra a dimensão sexual e a afetividade. Assim, os cônjuges são de certo modo consagrados e constituem uma igreja doméstica, onde a caridade conjugal revelada no amor mútuo se torna caminho de santidade.

O Sacramento do Matrimônio não é uma convenção social, um rito vazio ou mero sinal externo de um compromisso. O sacramento é um dom para a santificação e a salvação dos esposos; uma vocação em resposta ao chamado específico para viver o amor conjugal. A decisão de casar e formar uma família deve ser fruto de um discernimento vocacional que tem início na graça do batismo e completa-se na promessa de entrega total, fidelidade e abertura à vida.

Que neste ano tenhamos iniciativa e disposição de ajudar os casais de namorados e noivos a assumirem o Matrimônio com zelo e compromisso.

MAIS ARTIGOS